Au Au – ” Dogtooth” dilacera.


Temporada Oscar 2011

Opinião

por Caroline Araújo

Quando Mr. Night Shyamalan fez “A Vila”, foi bem assim 8 ou 80. Críticos e público se dividiram e muito se perdeu no cerne que o diretor colocou na tela, a questão de até que ponto nos armamos e acreditamos em ideologias que nos enclausuram de ver e sentir o mundo lá fora como se isso conseguisse afastar todo e qualquer desagravo que pudesse nos assolar. Pois bem, Shyamalan infelizmente não teve o pulso – coisa extremamente comum em seu filmes diga-se de passagem – para que a mensagem pretendida conseguisse tocar o público.

Yorgos Lanthimos por sua vez, fez e de uma forma extremamente perturbadora. “Kynodontas”(Grego) – “Dogtooth(Inglês) –“Canino Branco” (português)  (2009) é o terceiro filme desse jovem diretor grego que possui um foco apuradíssimo e sabe exatamente onde quer chegar.

O Filme conta a historia de uma família formada por pai, mãe e três filhos, um homem e duas mulheres. Que são educados e tratados dentro de casa, são completamente excluídos do mundo exterior, tudo o que sabem são seus pais que contam como agir, pensar e falar. O pai que controla e faz à vida deles inclusive da mulher desse modo sendo o único que possui contato com a vida citadina.

 

Nenhum personagem tem nome. E nem sabemos suas idades. Os filhos aparentam terem de 18 à 20 e poucos anos. Tudo se passa em uma enorme casa com piscina, um grande jardim, afastada da sociedade e totalmente cercada por um muro e vegetações. O mundo inteiro dos filhos se resume a casa, lugar que não deixam nem por um segundo.

Pelo pai são ensinados a latir e lamber como cachorros, além de considerar gatos como os mais terríveis predadores do universo. Para completar a triste situação, às vezes a mãe define palavras de um jeito errado, por exemplo: “zumbi” é uma flor amarela e “estrada” é um vento forte e “mar” é a cadeira da sala.

 

Este filme grego cria um incomodo desconforto critico\ social no espectador, só que com inteligência, senso de humor e uma bizarrice que só o cinema independente pode se dá ao luxo de ter. E justamente por essa bizarrice que ele foi vencedor da mostra Um Certain Regard em Cannes ano passado.

 

“DogTooth” é desconfortante, esquizofrênico e castigante. Não foi feito para agradar. Foi feito para enfiar o dedo em feridas e deixar o sangue à mostra. A essência humana consegue ser cruel até mesmo quando ela “pensa” não estar agindo pelo mau e sim pelo bem.

 

Você não vai sair da sessão com vontade de dar um repeteco, não. Até porque é indigesto tudo o que nossa memória afetiva extrai da película vista. Corajoso, audacioso eu diria. E ele é bom por isso, porque nos chacoalha para que saiamos da zona de conforto com a qual estamos habituados. Yorgos Lanthimos mostra ser um promissor diretor europeu e ainda vamos ouvir bastante sobre ele futuramente.

 

O Filme concorre ao Oscar do dia 27 de fevereiro na categoria de melhor filme estrangeiro. Muito ácido para agradar os “quadrados” da academia, mas seria uma grata surpresa sua vitória. Para finalizar, digo: ASSISTAM com o coração e mentes bem abertos.

Ps:  A tradução do titulo original para inglês ou português é a única falha, em latim “Kynodontas” significa “Canino” que tem muito mais ligação com a história.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s