A Volta das Aventuras Fantásticas


Opinião

por Caroline Araújo

 

Joel Courtney, Riley Griffiths, Ryan Lee, Gabriel Basso, Zach Mills e Elle Fanning. Foram mais de duas décadas para
que um diretor conseguisse reunir um time de adolescentes extremamente envoltos na trama na qual estão inseridos e que pudessem presentear o público com uma languida nostalgia dos bons filmes já feitos.

Acho que junto à nostalgia, podemos agregar outra palavra; INOCENCIA. Os rostinhos extasiados com a possibilidade de fazerem um filme, que fosse sobre zumbis ou qualquer outra coisa, mas que era uma produção deles, amigos, vizinhos, aventureiros, abraça de forma calorosa, levando ao espectador de volta aos anos 80, onde “Os gonnies”, “Garotos Perdidos”, “Deu a Louca nos Monstros” e claro, “E.T”, marcaram toda uma geração, de atores e de público  onde os filhos de lares partidos amadureceram à força, amparados por essas aventuras fantásticas.

Estamos falando de “Super 8”(2011) um dos filmes mais esperados do ano que pousou nas salas tupiniquins no último fim de semana, e que congrega dois grandes profissionais do cinema mundial. J.J. Abrams no roteiro e direção e Steven Spielberg assinando a produção executiva.

 A história se passa em 1979, girando em torno de um grupo de crianças de uma pequena cidade norte-americana que estão ávidos
por participarem de um festival local de filmes, e então, decidem rodar uma história sobre zumbis com muitos efeitos especiais. Rodado em super 8, o projeto  está sempre tentando “valorizar a produção” ( uma das falas constantes de um dos personagens) mas, após presenciar sem querer o descarrilhamento de um trem na cidade, esse grupo de crianças se deparam com uma série de eventos sobrenaturais. Como gancho de ação, os jovens não estão dispostos a deixar a produção de lado e continuam com a tal “valorização” usando o cenário catastrófico e misterioso do acidente como pano de fundo para a mesma.

Tudo é muito mágico através dos olhos infantis e o fato de termos as crianças fazendo um filme dentro de um filme (metalinguagem) possibilita que tal magia seja duplicada. “Super 8”  consolida o nome de J.J. Abrams como um dos cineastas mais interessantes da atualidade em Hollywood. Afinal ele é Produtor de “Cloverfield – Monstro”, realizou “Missão Impossível 3”, e é conhecido como o criador da série “Lost”. Deste ultimo trabalho Abrams

fez questão de convidar o diretor de fotografia Larry Fong para trabalhar em “Super 8”,o que sem sombra de dúvidas foi positivíssimo. A luz do filme é belíssima, linda! Abusa dos flares de lente em tomadas de contraluz, sempre puxando um ponto azul ao longe. Ou nas cenas que Elle encena suas falas no filme dos garotos, sempre existe um Véu iluminado sobre eles, como um palco. Isso foi muito bacana.

“Super 8” abraça o cinema de gênero na sua forma mais infantil, como uma criança que encara o perigo não porque é valente, mas porque não tem a medida desse perigo e porque sabe ( ou ao menos possui um plano) que pode SEMPRE salvar a todos. Steven Spielberg se fez fazendo melhor que ninguém o cinema de gênero, o cinema família. Joel Courtney em vários momentos seria uma representação do próprio Steven, enquanto Riley Griffiths personifica o excêntrico e autoritário e não menos gênio  Francis For Coppola e Ryan Lee com sua mania de explosivos seria George Lucas e sua ideia de efeitos especiais. Além de toda a homenagem aos filmes dos idos anos 80, temos também uma homenagem a três grandes
cineastas, que começaram suas carreias juntos, como amigos.

Ou Seja, mesmo utilizando elementos dos filmes de Spielberg, “Super 8” é original, e tem seus encantos próprios. Elle Fanning é um dos pontos forte. Ela esta radiante, e da mesma forma, personifica a garotinha de cabelos dourados, marca mais que presente nos filmes de Spielberg. A engenharia sonora do filme, também é algo que deva ter uma atenção especial. Muito pontual e precisa.

De maneira geral “Super 8” encanta, pela junção bem amarrada de bons elementos, pela sensação que ultrapassa a tela de que todos os envolvidos estavam “felizes” e inteiramente dedicados ao projeto, e principalmente, por ser a volta de aventuras fantásticas que os adultos de 30 de hoje, tinham como amigos de cabeceira de ontem.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s