A grandeza de VIOLA – Oscar 2012


Opinião

Por Caroline Araújo

Eu particularmente gosto de comédias dramáticas. Sabe por que¿ Ora, unir dois estilos que alguns julgam diferentes, em um guion, que precisa dosar um e outro de formas precisas para que se tenha uma receita final digna, não é fácil. Quando se trabalha, só comédia, você tem uma mão. Quando se trabalha drama, é outra forma. Quando se junta as duas, tudo pode acontecer, para o bem, ou para uma indigestão fílmica.

“The Help – Vidas Cruzadas” (2011) dirigido por, digamos, de certa forma estreante Tate Taylor, é uma ótima equação de drama e comédia, mas acima disso, é um filme de atrizes, como há algum tempo não se via.  Baseado no livro homônimo de  Kathryn Stockett lançado em 2009, a história se passa em Jackson, Mississipi – onde inclusive, Taylor nasceu e foi criado na vida real –em plenos anos 60, onde a segregação racial e os movimentos sociais nos Estados Unidos estão borbulhando em um caldeirão . Temos as patroas brancas e as empregadas negras. Temos as esposas “perfeitas” com seus vestidos floridos e seus chás da tarde fúteis. Temos o subúrbio sujo, guetos, banheiros onde brancos não entram.

Temos a cara cínica, de uma sociedade hipócrita, que durante longos anos sedimentou seus impérios sob a descriminação, sob sofrimentos, sob medo, sob a dor de tantos homens, mulheres e crianças negras que não puderam ter o mínimo direito de sonhar. De forma rasa, o roteiro proposto, não adensa o universo desse caldeirão. Isso é pano de fundo. O tema aqui, de fato, é a superação, de ter coragem para ter voz.

Viola Davis dá vida a empregada doméstica Aibileen Clark. A vida dela, foi criar filhos dos patrões brancos. Dar amor, as crianças quando seus próprios pais se recusam a. Ensinar a respeitar e ser alguém. Taciturna, e de certa forma amargurada, ela leva seus dias. Até que em dado momento, uma das senhoras brancas, Skeeter interpretada por Emma Stone, recém formada e pretensa jornalista, busca Aibileen para entrevista-la, como é que se sente criando essas crianças brancas. Quais histórias ela possui¿ Qual a visão de uma doméstica negra nesse mundo¿ Skeeter faz com que Aibileen descubra e ouça sua própria voz.

Viola é completa! Sua interpretação é monstruosa, soberba e tocante. Seus olhos perjuros, falam mais que a boca muda que seus patrões colocam em seu rosto. Absoluta. Sua atuação é a ponta de lança dessa película, mas não seria o que é, se o time de atrizes com as quais contracena não estivessem inspiradas e na mesma sintonia.

Octavia Spencer que interpreta outra doméstica e amiga de Aibileen, Minny Jackson, é um presente. Dinâmica, precisa e cativante. Outra gigante. Os grande olhos profundos, assim como Viola, expressão tanto e tão habilmente. Completam esse elenco Jessica Chastain, como Celia Foote, que mostra sua versatilidade, em uma não muito feliz para sua carreira, Sissy Spacekr e  Bryce Dallas Howard, que fantasticamente personifica a hipocrisia em carne e osso dessa sociedade em questão.

O mérito aqui, é o recorte que se faz nessa época. O recorte em cima de personagens, as domésticas negras, que ninguém parou para olhá-las de fato. Ninguém parou para refletir que foram elas que criaram os lideres dessa sociedade que hoje estão no comando. Esse é o ponto. Tate, extraiu de seu time de atrizes mais do que se imaginava. Extraiu personagens que poderiam ser caricaturas, mas que sob a pele delas, tornaram-se naturais. Existentes.

“The Help” vem ganhando a critica. No Oscar do próximo domingo concorre nas categorias de Melhor Atriz para Viola Davis, Melhor Atriz Coadjuvante com Octavia Spencer e Jessica Chastain e na principal, de Melhor filme. Bem, esta última, julgo, merecida a indicação, mas não leva. Coadjuvante, absolutamente é de Octavia, e apenas Jessica poderia tirar essa estatueta dela, ou seja, tá em casa. Agora Melhor atriz a briga é titânica. Duas grandes amigas em dois papéis brilhantes. Viola e Meryl Streep ( “A Dama de Ferro”) estão empatadas. E para qualquer uma delas, que a estatueta seja dada, esta valendo. Merecidamente.

Uma resposta para “A grandeza de VIOLA – Oscar 2012

  1. Lembro em Doubt aquela cena que Meryl Streep tem um longo diálogo com a personagem da Viola Davis… As duas são titãs da atuação. É fantástico!
    Neste Oscar eu torço por Viola, já que Streep tem uma coleção de prêmios, né… Vamos dividir cazamiga.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s