A FORÇA DE UMA MULHER


Opinião

Por Caroline Araújo

Em tempos em que os contos dos Irmãos Grimm saíram dos túmulos longínquos e voltaram a serem referendados; o colorido e infantilidade enaltecidos pela Disney no passado sede lugar a tensão e sobriedade da ancestralidade das histórias orais que ganharam o mundo.

“Snow White and the Huntsman – Branca de Neve e o Caçador” (2012) que acabou de chegar aos cinemas brasileiros é tudo menos uma fábula, por isso, não tão indicado para levar as crianças.

Antes de mais nada essa “releitura”, como muitos podem se referir, da história da princesa perseguida pela madrasta má por conta de sua beleza alva, nos trás duas grandes e espetaculares surpresas. A Primeira é Rupert Sanders , O DIRETOR. Conhecido por ser um profícuo diretor de publicidade, ganhador de Cannes no festival internacional de publicidade, o britânico Sanders faz aqui, seu primeiro longa metragem. E de cara, como poucos, mostra conhecimento, entrosamento e comprometimento com o projeto. Ainda faltam uns ajustes, pois em determinados momentinhos, a narrativa tornou-se um tanto arrastada, contudo, o pulso de Sanders foi milimétrico.

A segunda não poderia ser outra, a força descomunal com a qual Charlize Theron, se entrega à pele de RAVENNA, a bendita madrasta desta historieta assombrada. A gente, sempre ouviu que a madrasta era má, má, tão má quanto o pica pau. Mas a construção da Ravenna de Charlize, começamos a desvelar que essa “maldade” é dolorida, pesada, um fardo que ela carrega, não algo que naturalmente ela é. A “humanização” da Rainha má, foi algo sutil, mas poderosamente emblemático neste projeto.

Kristen Stewart, que dá vida a Branca de Neve, me surpreendeu. Melhor aqui do que como a insossa Bela de “Crepúsculo”. Fotogênica, alguns enquadramentos mostraram porque fi eleita para esse papel, mesmo assim, sua Branca de Neve, nem um pouco indefesa, funciona, mas é totalmente fagocitada pela presença de Ranenna.

O Roteiro funciona, mas também emperra alguns desdobramentos. Os personagens masculinos foram totalmente aniquilados. O tal Caçador do título aqui interpretado por Chris Hemsworth, até tem algum holofote, alguma função a mais, mas mesmo essa é fugaz. O Príncipe encantado, que aqui poderia ser o amigo de infância de Branca, Willian (Sam Claffin), tá meio Robbin Hood e assim como o tal Caçador, totalmente blasê.

Os anões. Bem, a gangue de baixotes é habilmente interpretada por um grupo dos melhores atores Ingleses da atualidade, e são um dos pontos altos.

Fotograficamente interessante, com uma direção de arte e um figurino que chamam a atenção de cara. O projeto sonoro preciso, e uma trilha que vai alinhavando a história contada. Poderia ter sido um pouco mais ágil, e quem sabe, mas rápido, a lentidão é algo que pode incomodar boa parte dos espectadores. Contudo, uma boa recriação dessa história secular, com um presente interpretativo de uma das mulheres mais talentosas e BELAS, da atualidade. Depois da Ravenna de Charlize, a Rainha Má nunca mais será a mesma. Cabia até um título tipo “BRANCA DE NEVE e a RAINHA MÁ”. Seria melhor que o famigerado caçador. Boa sessão.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s